Estes pianos não são comuns, mas sim Disklaviers, versões contemporâneas de pianolas. São controlados por computador e tocam de maneira independente. Neste projeto eles são entendidos como uma possibilidade de discutir e causar um curto-circuito no que entendemos como música eletrônica: embora seu controle seja feito através de um protocolo típico de equipamentos como sintetizadores e drum machines, a produção do som é completamente acústica, com as teclas e martelos se movendo de forma autônoma.

Para enfatizar essa relação entre a música eletrônica e acústica, duas caixas de som irão tocar sons sintetizados que dialogam diretamente com o que é produzido pelos pianos, se transformando em sincronia.